Obras em material têxtil sugerem uma analogia entre tessitura e a percepção da passagem do tempo

Avesso Viés

Jessica Mein / desborde cinco, 2017 / grafite e cânhamo / 94 x 64 cm / Botoon Rojo Fotografia / Nelson Leirner / Eu e Fontana / 188x127cm / 1999 / Lona e zíper / Ed. única

As alegorias e metáforas entre a tecelagem e a percepção da passagem temporal dão o tom da exposição “Avesso Viés”, coletiva em cartaz na SIM Galeria até 11 de julho. Artistas que lidam de diversas formas com o têxtil apresentam trabalhos com essa matéria e a atualizam por meio de ações como cortar, manchar, torcer, desfiar, esgarçar e virar do avesso. Essas interferências fazem uma analogia ao tempo e à capacidade de interrompê-lo abruptamente, desafiando a convulsão ansiosa da atualidade. Leia+Mais→